sexta-feira, 2 de setembro de 2016

«Uma escola muito à frente» - o novo livro

É verdade!
Está quase a sair.

Está aqui a sinopse, mas podem ler um excerto

Já imaginaste uma escola muito à frente, em que todas as tarefas são repartidas pelos professores, alunos e funcionários? Já imaginaste se tu e os teus colegas tivessem de ficar ao serviço do recreio, da papelaria, do bar? Ou até se dessem aulas aos alunos mais novos? Pois é isto que acontece na Escola Martim Moniz, isto e muito mais: uma chave mágica que a Mariana desencanta e que supostamente abre todas as portas, um exercício muito à frente sugerido pela professora de Português e que vai gerar a maior confusão; um beijo forçado durante um concerto dos Plátanos para causar ciúmes ao Manuel, um acidente que põe a família Machado toda em sobressalto e a entrada em ação do António, o colega por quem o coração da Margarida vai pulsar. Porém, muito mais à frente ainda vai ser a rebelde Maria do Carmo, a filha do diretor da escola. Prepara-te para a conheceres e não te deixes ficar para trás! 

Ler um pouco do novo livro:

«Uma escola muito à frente» - nº 17

– Eu não percebi patavina do que disseste, Mariana
– confessou a irmã mais velha, enquanto servia os outros de arroz de ervilhas com panados acabadinhos de fritar. – Rebobina, vamos, do início!
O Manuel revirou os olhos, fazendo uma cara que a Maria interpretou logo como «não era melhor deixála acalmar primeiro?». Mas o mal estava feito, e a Mariana recomeçava já a sua narração, bastante indignada, do que se passava na escola. O caso não era para menos, pois muito mudara desde que o novo diretor passara o portão da escola Martim Moniz. Fora imediata, a reviravolta! Agora, estavam mesmo
todos muito entalados, ou pior!, enlatados, comentava a gémea do Manuel, fora de si.
– Eu vou buscar o horário, para compreenderem
melhor.
– Mariana, sentada! – ordenou o pai, tentando conter o riso. Quantas vezes mostrara ela aquela folha de papel nas duas semanas anteriores? Inúmeras, já todos a sabiam de cor. Todos… menos os mais velhos.
– Está bem, pai, mas percebiase tudo muito melhor.
– Vá, explica, não percas tempo – incitou a Margarida, divertidíssima com a cena.
Também para ela tudo parecia diferente e, tratando as coisas pelos seus nomes, muito assustador. Mas era mesmo engraçado ver a irmã naquele estado de exaltação.
– Se eu tivesse ido buscar a porcaria do papel…
– Então, filha… – censurou a Teté, tentando conter o vocabulário que começava a resvalar para as tontices.
– Nesse papel, está tudo preto no branco. Eu já tive aulas de «cozinha para 500 comilões», de «secretaria de alunos», de…
– «Lavagem de casas de banho» – recordou a Mónica, torcendo o rosto num esgar de nojo.
– Isso! A Mónica já começou a lavar casas de banho!!! Mas somos criados dos outros, é?!
– Continuo sem perceber, Mariana – comentou a Maria.
– Dah!!! Então?!
O Manuel tossicou, pedindo uns minutos de atenção.
– Prometo ser breve – informou, antes de começarem as reclamações do costume, mandandoo
calar por esclarecer tudo demasiado pormenorizado. – O novo diretor tem imensas ideias inovadoras para a nossa escola. Uma delas é, para começar, estarmos durante quatro semanas a rodar de funções. Temos de dar aulas, não é só receber, mas dessa parte eu gosto…
– Claro, cromo! – resmungou a Mariana.
– Aulas que podem ser dadas aos professores, aos funcionários ou aos nossos colegas. Eu já dei uma interessantíssima aula…
– Presunção e água benta – sussurrou a Mónica, divertida.
– … sobre dinossauros!
– Por que será que isso não me espanta? – gozou o Miguel.
– Mas, em compensação – continuou o Manuel, imune às piadas –, já recebi uma aula de croché que foi um filme de terror. Quase fiquei com as mãos no meio daquilo, foi uma sorte ter saído de lá com vida! Mas parece que é a área de eleição da dona Fátima, a auxiliar que toma conta das compras e vendas na papelaria.
– Agora despercebi! – gritou a Margarida. – Mas isso não é uma função escolar!
– Pois não, mas como temos todos de dar aulas, ninguém escapa, cada um pode escolher a área em que quer ensinar. No caso da dona Fátima, foi croché…
– Ah, está bem – concordou a Margarida. – A mim só pediram ainda coisas giríssimas como fazer arroz de grelos para um regimento! Grelos!!! Aquilo dá um trabalhão a arranjar! E aproveitar os talos da alface para pôr na sopa? Estamos a poupar imenso na cantina…
– Sou só eu que estou confusa? – suplicou a Maria.
– Posso? – A Mónica tomava as rédeas da conversa.
– A ideia do diretor é genial, a meu ver. Quer que todos, funcionários, professores e alunos passem por todas as atividades da escola, para que as possam valorizar. E não só, para que também as saibam respeitar. Por exemplo, à minha turma já coube a terrível cena de lavar casas de banho. Jurovos,
nunca mais saí de lá sem verificar se deixava tudo limpo e pronto para a próxima pessoa! A ideia funciona mesmo!
– E a mim coubeme ontem a tarefa de pintar uma parede que estava vandalizada – esclareceu a Margarida, mostrando as mãos ainda carregadinhas de bocados de tinta por limpar. – Se apanho alguém a sujar aquela parede, nem sei o que lhe faço! Ficou um espanto!
– O conceito é fantástico – concordou o Miguel. – Como foi ele ter essa ideia? Alguém sabe?
Vários «nãos» surgiram espalhados pela mesa. Nenhum dos irmãos conseguira descobrir essa parte, de facto. A Mónica, agora no 11.º ano, já fizera a mesma pergunta várias vezes, sem obter respostas. O que ela sabia era que a escola se estava a transformar. Não havia refilices na cantina, as casas de banho estavam muito mais asseadas, os canteiros tratados e estimados, ninguém se insurgia com a demora
nas fotocópias, enfim, tudo se modificava aos poucos.
– Só me preocupa uma coisa – disse o Manuel. – É que eu e a Mariana estamos no 9.º, temos de acautelar as notas, porque para o ano já tudo conta! Espero que estas semanas não estraguem os nossos planos.
Houve logo quem se risse, claro. Como podia o Manuel preocuparse com isso? Só tinha notas excelentes, sempre…
– Tenho de ir conhecer esse homem – comentou o Mateus, com uma expressão sincera. – A ideia pode e muda mesmo a vivência de toda uma comunidade. Muito interessante!
– Desde que não tragam essas modernices cá para casa… – avisou a Alice, rindose e começando a recolher os pratos. – Qualquer dia, estou no desemprego! Ah! E amanhã vou arranjar grelos, alguém quer ajudar?
Risota geral, mais uma vez. A Margarida, com os seus onze anos muito espigados, acalmoua:
– Tu és insubstituível, Alice, insubstituível…
Recebeu um abraço com direito a beijo nos cabelos, e a reação dos outros irmãos não se fez esperar:
– Alice, tu estragas essa miúda com mimos!!! – ralhou o Miguel.
Insubstitutível! – disse a Madalena, tentando receber beijos e abraços.
– Não é assim que se diz, é…
– Manel! – ouviuse um coro de vozes a reclamar.
Nada a fazer. Ninguém entendia a necessidade do Manuel pôr tudo no seu sítio, esclarecer tudo, informar de tudo!
– Quando é que eu vou para essa escola?
– Olha, Madalena – disse a mãe –, quando chegares ao quinto ano. Ainda só estás no primeiro, não é?
– Mas já sei escrever o meu nome! Querem que eu escreva?
– Não, Madalena, outra vez, não!!!
Foi a resposta, também em coro, que antecedeu o bolo de cenoura.

******

segunda-feira, 25 de julho de 2016

A propósito do livro «Manuel resiste à tempestade»

Olá, queridas autoras! Acabei hoje de ler o vosso e nosso 16º livro e estou completamente sem palavras. Sinceramente, já não tenho mais elogios para vocês e para esta coleção: é maravilhosa, moral, divertida, aliciante, é um enlevo lê-la, fascinante e, o mais importante para mim, retrata alguns problemas da nossa sociedade atual como o bullying. Infelizmente, também eu o sofri, não tanto como o Manuel, mas afetou-me muito e não sabia como sair daquele labirinto. Este livro ofereceu-me uma nova visão sobre os agressores e as resoluções, e fico mesmo satisfeita e aliviada por saber que meninos e meninas que sofram o mesmo têm, neste testemunho do Manuel, uma ajuda preciosa e segura. É uma grande alegria saber isso! 
Esta é uma coleção que tem um lugar muito especial no meu coração e obrigada por me proporcionarem isso, Margarida e Maria João. 
Beijinhos da vossa super fã
Ema Biscaia


Querida Ema,
Nós também ficamos sem palavras ao ler estas mensagens que nos envias. É tão bom saber que os livros ajudam a viver o crescimento de forma mais segura, menos solitária, mais em harmonia.
Muito obrigada por tudo! Somos umas sortudas em ter-te como leitora e não temos dúvidas: já és e serás sempre uma pessoa extraordinária!
Um grande beijinho nosso
Margarida e Maria João

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Manuel Resiste à Tempestade

O Manuel, que gosta tanto de ter sempre tudo bem arrumado, que gosta dos seus estudos bem preparados, que adora controlar todas as situações em que se encontra, vai ser surpreendido pelo mundo à sua volta.
Ser gozado pelos colegas? Já se habituou a isso, pois ninguém gosta de ter na turma um colega que sabe sempre toda a matéria e só tira boas notas. Contudo, a violência pode chegar a um outro nível, e o Manuel não sabe como agir...
Mas nem tudo são sustos, neste livro. A Inês, uma amiga do 1.º ciclo, vem para a escola onde andam os gémeos e todos os irmãos Machado. E algo muda dentro do Manuel: conseguem adivinhar o que irá acontecer?
Hum... achamos que não, mas temos a certeza de que vão ler este livro muito mais depressa do que imaginam!

Margarida em Apuros

A Margarida está mesmo em apuros, nem imaginam! Não só tem como amiga a miúda mais traquina da turma, a Matilde, como prepara uma grande partida, capaz de fazer parar a escola por umas horas. E com a ajuda da Mariana!
Mas as confusões não param por aqui. O Miguel anda intrigado com as reações do seu colega de futebol, o Rui Pedro. E não é que o Rui Pedro, que se tinha comprometido a ajudá-lo na playlist para os anos do João Pedro, não aparece na festa?
Pois, é isso mesmo: mas que diabo se passa?! 
Este livro vai deixar-te sem fôlego do princípio ao fim, cheio de ratoeiras e segredos por desvendar. Se tens coragem para aguentar tanto mistério, anda daí – vamos mostrar-te como a amizade consegue coisas maravilhosas! 

Mariana e Manuel, gémeos em sarilhos



Quem diria? Dois irmãos gémeos, mas completamente diferentes. 
A começar pelo facto de a Mariana ser uma rapariga e o Manuel um rapaz... Contudo, há mais diferenças: a Mariana salta de asneira em asneira; o Manuel, de conhecimento em conhecimento. Viver perto deles é estar num mundo sempre em sobressalto! Como é que a Mariana vai resolver as encrencas em que se mete? E como é que o Manuel aplica o que sabe no dia a dia? Será que a Mariana consegue melhorar e começar a portar-se bem? E será que o Manuel entende o que se passa naquele coração irrequieto, sempre cheio de boas intenções e más ideias? Não imaginam, não é verdade? 
Pois... vão ter de ler este livro e... entrar no mundo dos gémeos. Afinal, eles são mesmo divertidos! 

Maria, atravessa o Atlântico

A Maria vai estudar um ano para os Estados Unidos da América e deixa para trás uma família muito ansiosa e um namorado que não aguenta nada bem a sua ausência! Um mundo de emoções e muita agitação aguarda-a nesta sua inesquecível experiência do outro lado do Atlântico. A Maria parte cheia de entusiasmo por ter uma nova escola, uma nova família e uma nova «irmã». Contudo, a pouco e pouco, vai-se sentindo dividida entre dois mundos separados por um oceano. 
Será que aguenta o embate? A separação? As saudades? É tudo tão diferente! Por um lado, a novidade: os bailes, as festas, as aulas, os novos professores, os colegas, a família e, quem sabe, uma nova paixão... Por outro, aquela dor no coração que não a deixa esquecer o seu Portugal, a sua família, os seus amigos... 
Como irá a Maria resolver este desafio tão complicado, quando tem apenas 17 anos? 

Miguel, nunca desiste


O Miguel tem catorze anos e é o segundo de seis irmãos… ou sete, porque a Madalena já vem a caminho. Adora os amigos e é capaz de tudo para os ajudar, ou para com eles se aventurar em episódios menos aceitáveis pelos pais, mas inofensivos para quem adora fazer partidas! 
Aos amigos e à família junta-se outra paixão: o futebol. O Miguel é um autêntico craque e não há jogo em que a família não esteja presente para o apoiar. Mas não são só os pais e os irmãos que andam de olho nas suas jogadas em campo: as mais altas instâncias do futebol profissional não dormem e querem fazer do Miguel o melhor do mundo! Será isto possível? E os estudos? Conseguirá ele conciliá-los com a carreira futebolística? Isto para não falar da possibilidade de deixar a sua cidade, e com ela a Rita, a namorada que adora! 

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

A mensagem da Maria

Olá
Eu sou a Maria tenho 8 anos e adoro a colecção.
Desde que comecei a ler, a minha vida mudou, porque passei a gostar de ler e quando leio estes livros parece que estou nas nuvens.
Da colecção eu já li:
- Maria os segredos da irmã mais velha
- Miguel nunca desiste
- Mónica a Maria-Rapaz.
O primeiro livro que li (Maria os segredos da irmã mais velha) foi até agora aquele que mais gostei, foi uma verdadeira aventura.

Obrigada por me fazerem tão feliz com estes livros, pois são eles que me acompanham na leitura quando vou dormir.

E nós enviamos-te um beijinho enorme, obrigada por leres e por nos dares este magnífico presente!
Margarida e Maria João

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Há dias assim - em que tudo se conjuga para ficarmos felizes!

Este foi o comentário da nossa querida Ema Biscaia, comentando o post da Maria Guimarães.
Somos pessoas mais felizes ao ler isto, somos escritoras com mais motivação e empenho ao ler isto!
Um beijinho para ti, Ema, querida amiga de há tantos anos


Deve ser mesmo agradável ver estes mails!! Quando comecei a ler a vossa coleção estava a passar um mau bocado na escola nova e nem imaginam a diferença que fez a leitura dos 7 Irmãos!! Encontrei tantas mas tantas parecenças comigo que os vossos livros eram a única coisa positiva dos meus dias!! E agora, com 15 anos, nem consigo esperar pelo dia em que vou entrar na livraria e comprar o 16º livro!! É sempre uma emoção e excitação tão grande!!

Obrigada por serem ótimas pessoas, confirmado pelos comentários que trocávamos mais no início, e por terem criado uma coleção que me ajudou tanto e que ficará marcada no meu coração para o resto da minha vida.

Beijinhos enormes da vossa mega fã
Ema Biscaia 

A carta da Maria Guimarães

Olá!
Eu sou a Maria e tenho 11 anos.
Desde pequenina que tenho uma paixão enorme por livros... gosto da sensação e a maior parte das vezes sinto que eu também entro dentro do livro. Até já li um livro de + ou - 220 páginas num dia. Por isso quando os meus irmãos ou os meus pais não me veem já sabem que eu estou no quarto a ler... e a minha mãe quase que me proibiu de ler... porque eu quando começo um livro não consigo parar de ler!!
Já li muitas coleções ou parte delas: "As gémeas", "As quatro Torres", "Os cinco", "Os sete", enfim, tantas que já nem me lembro!!
E encontrei esta coleção por mero acaso...
Estava eu à espera de um dos meus irmãos, na biblioteca da minha escola, no início deste ano, quando me deparei com um livro que dizia: "7 Irmãos" e pensei "eu que tenho 5 irmãos ( todos rapazes), será que este livro conta o que se passa numa família numerosa?" e cheia de curiosidade comecei a ler e não teria parado se o meu irmão não chegasse, por isso decidi requisitá-lo.
Quando cheguei a casa continuei a ler e acabei no próprio dia, também perguntei à minha mãe se conhecia a coleção e ela disse-me que era recomendada pela APFN, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas de que nós fazemos parte.
Depois de ler o 1º livro só parei quando quando cheguei ao 13º (pois na minha biblioteca só tem até esse volume), mas espero que pelo menos para o próximo ano já os tenha a todos.
Espero que nunca parem de escrever esta MARAVILHOSA coleção!!! E que quando sair o próximo avisem.
PARABÉNS!!Vocês bem merecem!!
da vossa maior fã, 
Maria Guimarães

Querida Maria, não temos palavras para te agradecer esta fantástica mensagem, por isso optámos pelo gesto de tornar a tua carta um incentivo à leitura, esperamos que fiques feliz!
O livro novo já saiu, são 16 livros!
Por isso, deixamos-te, cada uma de nós, 16 beijinhos!
Margarida e Maria João

domingo, 13 de setembro de 2015

Leitores que nos inspiram!

Recebemos esta mensagem da Filipa. Ficámos tão emocionadas que resolvê-los partilhá-la com todos.
Agradecemos-te do fundo do coração!

Tenho catorze anos, mas sei que não há um limite para se ler estes livros. Sou uma leitora compulsiva, admito, leio imensos livros e sinto-me estranha quando não estou a ler ou a escrever (adoro escrever, e tudo graças aos livros). Admiro-me só ter descoberto a vossa coleção há uns dias, mas já li um livro. Li-o num dia, aliás, numas horas. Bastaram... o quê, quatro horas?! Tanto? Acho que não chegou a tanto! É ótimo sorrir com as personagens, com trechos do livro, ótimo partilhar dos mesmos medos e receios destes maravilhosos irmãos... E ótimo passa a ser uma palavra tão pequena para descrever esse sentimento.Tão pequenina mesmo! 
Revejo partes de mim nos irmãos mais velhos e nos mais novos, especialmente na Mónica, talvez porque ela é a protagonista no primeiro livro que li (o terceiro, mais exatamente). Medo do escuro... Ironia, porque eu também tenho! E, graças à Mónica, já consegui ser muito mais corajosa no que toca a vencer fobias, já consegui não ter vergonha de uma coisa tão natural como ter medo. Medo irracional, verdade, mas medo. Portanto, tudo o que estes livros me proporcionaram em tão pouco tempo é algo impagável que me tem sido tão, mas tão útil... 
OBRIGADA volta a ser uma palavra que não chega para o quanto vos quero agradecer! Se ler é uma nova vida que se manifesta sob a forma de palavras escritas a tinta numa folha de sonhos, ler os 7 irmãos é tudo isso e muito mais! É viajar para uma realidade inventada que me fascina imensamente e me alegra os dias de chuva, desenha um arco-íris no céu da minha imaginação.
Mais uma vez, OBRIGADA!
Filipa